S-IF (aspecto da relação signo-intepretante final)

É a tricotomia da relação do signo como interpretante final, a maneira como um signo tende a representar seu objeto num futuro infinitamente distante, atingindo uma perfeição representativa. Essa relação iterativa entre S e IF, que acontece no eixo da significação, faz com que o signo, depois de ter passado pelo crivo da representação do objeto dinâmico e de se submeter aos constrangimentos das situações efetivas de representação, possa perseguir agora uma causa final representativa, que se sobreporá à causa final presentativa. É, portanto, o retorno do signo ao eixo télico da significação para calibrar-se novamente em direção ao summum bonun