S-ID (aspecto da relação signo-interpretante dinâmico)

É a tricotomia da relação do signo com o interpretante dinâmico. Mostra a transformação da possível representação que o signo professa fazer de seu objeto dinâmico numa representação efetiva (seja emocional, seja energética ou lógica). É, em outras palavras, a maneira de fluência da representação que o signo faz do objeto dinâmico. Mais uma vez, o signo aparece carregado com o propósito do interpretante final. Agora, depois de fazer as contas com o objeto dinâmico, precisa adaptar-se às circunstâncias concretas, a situação real que determina a produção de um efeito interpretativo. A relação S-ID é, portanto, um compromisso entre as possibilidades de representação do signo e as circunstâncias concretas em que essa representação ocorre. Um mesmo signo (uma palavra, por exemplo) pode produzir uma infinitude de interpretantes representativos dinâmicos (cada vez que a palavra é usada pela comunidade dos falantes) e pode ter sucesso ou não em transmitir a forma de seu objeto dinâmico. A maneira que toda a comunidade tende a usar essa palavra em todas as situações possíveis corresponde à última tricotomia representativa, a da relação S-IF.