Compartilhe no Twitter Compartilhe no Facebook

Tabela Periódica

A Tabela Periódica das Classes de Signos

As 66 classes de signos podem ser arranjadas numa tabela triangular tendo como vértices as categorias cenopitagóricas (primeiridade, segundidade e terceiridade). As janelas pretas ou “buracos” correspondem às classes eliminadas pela regra do triângulo de existência. As flechas correspondem à relação lógica de ilação ou implicação material.

As flechas que vão de 1 a 2, que sabemos indicar envolvimento, aqui também correspondem aos estágios da semiose: Fundamentação, Presentação, Representação e comunicação. Isso significa que a Presentação envolve Fundamentação, que a Representação envolve os dois primeiros e que a comunicação envolve todos os demais.

As flechas que vão de 2 a 3, que sabemos indicar universalização, aqui também correspondem às quatro fases ou estágios do conhecimento: Perceptivo, Inquisitivo, Deliberativo e Científico. Isso significa que todo conhecimento começa na percepção, que a deliberação exige ambas percepção e inquisição e que o método científico é uma universalização dos anteriores.

Uma pitada de vagueza

A categoriologia, com seus predicamentos e relações de incerteza formam o substrato contínuo que permite a ação no processo da Semiose que, portanto, também deve ser considerada como um fenômeno contínuo e sujeito a relações de incerteza, embora também divisível em classes gerais capazes de agrupar os signos de acordo com suas características mais marcantes. Como afirma Mihai Nadin (1983, p. 163 apud Santaella e Nöth, 2004, p. 258).

a tipologia das classificações dos signos (as 10, 28 e 66 classes), tal como foram confirmadas pela teoria matemática das categorias, deve ser entendida com uma rede de pontos de referência fundamentais num campo semiótico generalizado. Quando essa tipologia é transformada num fim em si mesma, ela conduz estritamente a uma semiótica formalista. Dar um nome a um signo, identificá-lo, não resolve o problema do modo como ele age semioticamente. O signo só pode ser concebido e interpretado dentro do espectro da lógica da incerteza com a participação da doutrina do continuum. As categorias fuzzy e a extensão do conceito matemático das categorias preenchem essa necessidade e aperfeiçoam a tabela dos signos por meio da imagem do continuum e, conseqüentemente, da dinâmica dos processos sígnicos.